Ir para conteúdo

Ofensiva jesuítica a favor da “agenda gay”

Ao contrário do Islã, os destruidores internos da Igreja não agem como lobos solitários. Nem sequer se dão mais o trabalho de vestir peles de ovelha para dissimular…

Quem pensava que o Pe. James Martin, SJ com sua “agenda gay” (conforme já publicamos aqui, aqui e aqui) era um caso isolado, está totalmente enganado.

Os jesuítas dos Estados Unidos e do Canadá agora endossam oficialmente a posição do sacerdote, afirmando que o livro Building a Bridge [Contruindo uma ponte] é “uma publicação importante para a nossa Igreja e para o povo de Deus a quem ministramos”. O cargo dele no Vaticano confirma o “poder da sua obra”.

Usando do bom “jesuitismo” (ver artigo) ocultam para que é importante o livro e qual seria o “poder” dessa obra. Talvez no sentido de fomentar ainda mais um cisma no seio da Santa Igreja?

Que ponte é essa que ela constrói? Uma rampa para o inferno?

Agora só falta um outro jesuíta se pronunciar para mais lobos se unirem em emboscada contra as ovelhas do Senhor.

 

Jesuítas dos EUA apoiam o Pe. James Martin, duramente atacado nas redes sociais

Revista ihu on-line

O grupo America Media e as lideranças dos jesuítas dos Estados Unidosdivulgaram declarações de apoio ao Pe. James Martin, SJ, autor do novo livro Building a Bridge.

james_martin_bridge.jpg

O sítio da revista America, 16-09-2017, publicou o texto das declarações. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A primeira declaração é do editor-chefe da revista America. James Martin tem sido duramente atacado nas redes sociais por grupos católicos conservadores e tem sido desconvidado para conferências anteriormente agendadas.

Eis os textos.

Declaração do Pe. Matthew F. Malone, SJ
Presidente e editor-chefe

No dia 15 de setembro de 2017, o Theological College, o seminário nacional sob os auspícios da Catholic University of America, anunciou sua decisão de rescindir um convite ao Pe. James Martin, SJ, editor-chefe de longa data da revista America, para se dirigir aos professores e estudantes durante a sua próxima celebração das Jornadas Discentes [Alumni Days].

De acordo com uma declaração emitida pela Catholic University, a decisão de rescindir o convite era contrária ao “conselho específico recebido da universidade e da sua liderança”. A decisão do Theological College seguiu o recente cancelamento da presença do Pe. Martin agendada para o jantar anual de investidura da Ordem Equestre do Santo Sepulcro de Jerusalém e de uma palestra que ele proferiria para a CAFOD, a agência de caridade católica de desenvolvimento internacional.

O Pe. Martin tinha sido convidado para fazer considerações sobre Jesus e a espiritualidade inaciana em cada um desses fóruns. No entanto, os promotores dos eventos se sentiram obrigados a rescindir seus convites à luz da controvérsia pública em torno do recente livro do Pe. MartinBuilding a Bridge: How the Catholic Church and the LGBT Community Can Enter into a Relationship of Respect, Compassion, and Sensitivity [Construindo uma ponte: como a Igreja Católica e a comunidade LGBT podem estabelecer uma relação de respeito, compaixão e sensibilidade].

Depois de ter sido revisado pelo censor librorum, o livro recebeu o necessário imprimi potest do superior jesuíta do Pe. Martin, o Pe. John J. Cecero, SJ. Building a Bridge recebeu recomendações públicas do cardeal Joseph Tobin, de Newark, Nova Jersey; do arcebispo John Wester, de Santa Fe, Novo México; do bispo de San Diego, Robert McElroy; de Dom John Stowe, bispo de Lexington, Kentucky; e do cardeal Kevin Farrell, prefeito do Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida do Vaticano. Como os superiores jesuítas do Pe. Martin observam em um comunicado divulgado hoje (ver abaixo), Building a Bridge “é uma importante publicação para a nossa Igreja e para o povo de Deus”.

A maioria dos leitores e comentaristas acolheram o livro, embora alguns tenham levantado questões sobre a sua tese. Na maioria dos casos, a crítica tem sido inteligente e caritativa. Alguns elementos da Igreja estadunidense, no entanto, tomaram a iniciativa de organizar uma campanha por conta própria, não apenas contra os conteúdos do livro, mas também contra o próprio Pe. Martin.

Nas últimas semanas, o Pe. Martin foi submetido a ataques repetidos e caluniosos nas mídias sociais e na imprensa, envolvendo invectivas que são tão assustadoras quanto tóxicas.

Uma coisa é se envolver em debates espirituosos. Outra coisa é tentar obstruir esses debates através do medo, da desinformação ou da franca censura. A campanha contra o Pe. Martin, travada por uma facção pequena, mas influente, na Igreja dos Estados Unidos, é injustificada, não caritativa e não cristã.

O Pe. Martin é um membro de longa data da equipe editorial da revista America. Ele é um cristão fiel. Alguns podem discordar dos seus pontos de vista, mas você não encontrará um homem mais dedicado a Cristo e à sua Igreja.

* * *

Declaração dos Jesuítas dos Estados Unidos e Canadá sobre o novo livro do Pe. James Martin, Building a Bridge
http://jesuits.org16 de setembro de 2017 –

O Pe. James Martin, SJ, é um padre fiel, escritor de best-sellers e um membro respeitado da equipe editorial do grupo American Media, dirigido pelos jesuítas.

Seu livro mais recente, Building a Bridge: How the Catholic Church and the LGBT Community Can Enter into a Relationship of Respect, Compassion, and Sensitivity, é uma publicação importante para a nossa Igreja e para o povo de Deus a quem ministramos. Todos os livros do Pe. Martin são escritos com o pleno consentimento dos seus superiores religiosos e em conformidade com as orientações de publicação da Igreja Católica.

Building a Bridge, que foi revisado pelo Censor Librorum da Província do Nordeste dos Estados Unidos da Companhia de Jesus, recebeu um Imprimi Potest do provincial do Pe. Martin, declarando a sua adequação para publicação.

O Pe. Martin é uma voz significativa na nossa Igreja, tanto nos Estados Unidos, quanto em todo o mundo. A sua recente nomeação como consultor da Secretaria para a Comunicação do Vaticano afirma o poder da sua obra, que é um importante instrumento tanto para a pregação do Evangelho quanto para a evangelização.

Pe. John Cecero, SJ
Provincial da Província do Nordeste dos Estados Unidos

Pe. Timothy Kesicki, SJ
Presidente da Conferência Jesuíta do Canadá e dos EUA

Leitor Contra-Revolucionário

Arauto do Evangelho e admirador de Dr. Plinio Corrêa de Oliveira. Leitor de notícias do que outrora chamávamos Igreja...

Últimos posts por Leitor Contra-Revolucionário (exibir todos)

  • Hugo

    Quanto lixo! Estamos numa encruzilhada onde temos que escolher entre seguir um clero corrompido ou seguir a Palavra do Senhor.
    E já que Jesus disse que ‘Céus e Terra passarão, mas as minhas palavras jamais’, e já que Ele é o Criador e Senhor do Universo, do Tempo e da Eternidade, então eu sigo a Ele. Não tem padre, bispo ou papa que vai me fazer trocar de ideia! Nenhum mortal pode mudar aquilo que Deus revelou nas Escrituras!

    • Antônio Carlos

      Exatamente! Ninguém pode mudar as escrituras!

  • Rubens

    Sacerdotes do demônio. Envergonhando a Igreja de Nosso Senhor.

  • Berriztocoa

    Santo Inacio tem que aparecer e destruir esses lobos vestidos com batina preta, que estão demolindo sua Companhia de Jesus e a Igreja de Cristo.

    Além de jesuítas, a lista dos demolidores que defendem esse “escritor” é grande: cardeais, arcebispos, bispos, dicastério para os leigos, e sabe Deus mais quem. Além de outros jesuítas que galgaram postos muito importantes no Vaticano, também sabe Deus como…

    E por quê defendem?
    Resposta: “Ele é um cristão fiel… Alguns podem discordar dos seus pontos de vista, mas você não encontrará um homem mais dedicado a Cristo e à sua Igreja”.
    Dedicado a Cristo? à Igreja?! Que igreja?
    Sim, é claro! A uma igreja que não é a Católica, evidentemente, pois eles dizem que “é uma publicação importante para a nossa Igreja e para o povo de Deus a quem ministramos”.

    Portanto, se eles tem a igreja deles e um povo “a quem ministramos”, que fazem dentro da Igreja Catolica, Apostolica, Romana?
    Que SAIAM JÁ DA IGREJA CATÓLICA – oficialmente – e não continuem destruindo por dentro o que os inimigos de Cristo não conseguem faze-lo desde fora.

  • Pampero

    En español existe un juego de palabras:`La Compañia de Jesus: ay Jesus que compañia!!!`.
    Penoso, pero cuan dolorosamente actual!

  • Louis

    Como ele diz: “O Pe. Martin é uma voz significativa na nossa Igreja”, da religião fundada pelo Jesuitismo. Alguém ouviu algum pronunciamento de Francisco sobre o assunto? Silêncio… deixam as saúvas trabalharem no subsolo em prol da desfiguração da Santa Igreja. Esperem que os Leões estão preparando um formicida a altura do inimigo.

  • Pedro Morato

    Preparem-se os tolerantes e compassivos para o que está por vir:
    “Uma forma ainda desconhecida de religião está para germinar no coração do homem moderno, num sulco aberto pela ideia de Evolução…”
    “Servindo ao mundo, servimos ao Cristo Universal”; …“assim como, servindo ao Cristo, servimos ao mundo”, profetizou o jesuíta Teilhard de Chardin.

    Os eclesiásticos progressistas estão convencidos de que o cristianismo servirá aos ideais terrestres para divinizá-los… e o deus terrestre não será outro que o demônio. O gayzismo é uma liturgia. O casamento gay é o sacramento satânico, já afirmou claramente um satanista.

    Os sacerdotes estão sempre inovando, porque não acreditam em nada. E a consequência é a destruição da verdadeira fé. É um vírus satânico, destruidor. Sem fé, os fiéis serão vítimas fáceis do novo culto desconhecido!!!
    Se no Vaticano já acontecem cenas de gayzismo e satanismo, o que podemos esperar dessa religião do futuro [que se originará da católica e a substituirá?]

  • Lluvia de Fuego

    Tiene una cara pésima

  • Lluvia de Fuego

    Estas porquerías ocurren en la maldita tierra norteamericana.
    ¿Qué esperar de una tierra fundada por masones y protestantes?

%d blogueiros gostam disto: