Ir para conteúdo

Antonio Livi: “o Papa não censura Sosa porque pensa como ele”

lafedequotidiana.it
Tradução: Residuum Revertetur

Como se sabe, o Geral dos Jesuítas, Padre Sosa, recentemente se fez fotografar com outro sacerdote, orando em um templo dedicado a Buda. O La fede quotidiana pediu um comentário ao conhecido teólogo, filósofo e fundador da Associação Fides et Ratio, monsenhor Antonio Livi.

Monsenhor Livi, viu aquela foto?

“Claro. E eu considero um assunto sério, que vai contra a Igreja Católica, cometido pelo Geral dos Jesuítas, o Padre Sosa, de resto, não é estranho a saídas semelhantes. De fato, Sosa no passado recente, disse coisas erradas e até mesmo heréticas. Evidentemente, que deve se sentir apoiado”.

O que quer dizer?

“As coisas que Sosa diz, e agora faz, são escandalosas, mas não inteiramente surpreendentes, considerando os tempos em que a Igreja vive hoje. Trata-se falsos e maus doutores que provavelmente não gostam da doutrina católica”.

Mas o Papa não o censurou ou o cutucou…

“Eu acho que ele não faz, porque, afinal de contas, Sosa afirma clara e explicitamente, o que Bergoglio provavelmente pensa em modo implícito”.

Qual é a gravidade do gesto Pai Sosa da oração em um templo dedicado a Buda?

“Causa sincretismo ou pior ainda indiferença religiosa, faz crer num modo enganador, que uma religião vale [tanto quanto a] outra. A Igreja tem tomado uma posição contra este ponto de vista e bastra ler o documento Dominus Jesus“.

Mas João Paulo II, Bento XVI e o próprio Francisco visitou templos dedicados a outros cultos.

“Isso é verdade, no entanto, ao contrário de Sosa, fizeram-no com extrema cautela e prudência. Claro, eu também nutro reservas sobre a conveniência destes gestos, mas deve-se reconhecer que eles nunca rezaram num modo assim tão evidente e flagrante, sendo fotografado com outro sacerdote na frente de uma estátua de Buda. Recordo que o budismo é ateu, e um ateu não reza a Deus, porque não reconhece que Deus é o criador e autor da ordem moral. A oração budista falsa, feita por um clérigo católico encolhido numa posição budista, avalio-a como algo acima de tudo insensato, e depois também como uma blasfêmia, um gesto herético. Ao fazer isso, Padre Sosa brincou com os católicos que verdadeiramente rezam a Deus na igreja e em casa “.

O senhor fala da desorientação pastoral, por quê?

“Eu expliquei em um livro escrito com Danilo Quinto (Disorientamente pastorale. La fallacia umanistica al posto della verità rivelata?, Leonardo da Vinci, Roma 2016). Faz tempo que eu me preocupo com esse desorientamento, porque as pessoas são induzidas a acreditar que o dogma católico não se sustenta mais, e, portanto, tampouco a moral tem mais valor. Em vez disso o que o católico deve acreditar não mudou: a doutrina do Catecismo da Igreja Católica, querido pelo Papa João Paulo II e apoiado pelo papa Bento XVI, é sempre válida e atual. É necessário que todos os católicos saibam que a Igreja não tem outra escolha senão anunciar a verdade revelada por Cristo, e não servir de caixa de ressonância a ideologias secularistas. Infelizmente, alguns homens da Igreja desistiram de seu dever. O Papa é imprudente, mas ele nunca disse nada formalmente herético, porque ele tem o carisma da infalibilidade. No entanto, dá muita atenção aos teólogos heréticos que criaram uma escola teológica dominante, cuja testa é o jesuíta Karl Rahner. ”

Bruno Volpe

Paulo de Tarso

Alguém que, como o Apóstolo, examina tudo e fica com o que é bom (Cf.I Ts, 5,21).
%d blogueiros gostam disto: