Ir para conteúdo

Sobre a orgia homossexual na Santa Sé

[prisna-google-website-translator]

As alegações sobre um escândalo de orgia homossexual regada a drogas na Santa Sé.

Fonte: FRATRESINUNUM

Seja qual for a verdade exata por trás dessa história sinistra e perturbadora, ela expõe o comportamento gravemente pecaminoso que vem ocorrendo dentro do Vaticano e que um elevado membro da Cúria revelou que “nunca esteve pior”.

Por Edward Pentin, National Catholic Register, 8 de julho de 2017 | Tradução: FratresInUnum.com: De acordo com relatos da mídia secular, a polícia do Vaticano interrompeu uma orgia homossexual regada a drogas em um apartamento do Santo Ofício. Mas quão verdadeiro é tudo isso?

A notícia foi divulgada pela primeira vez em um artigo do dia 28 de junho no jornal italiano Il Fatto Quotidiano: a polícia do Vaticano teria invadido um apartamento no mesmo edifício da Congregação para a Doutrina da Fé, onde descobriram drogas pesadas e um grupo de homens engajados em atividade homossexual. A partir daí, outros proeminentes veículos de comunicação de língua Inglesa  passaram a publicar os detalhes extensivos que haviam sido publicados pelo Il Fatto Quotidiano .

O artigo afirma que o ocupante do apartamento era o Secretário do Cardeal Francesco Coccopalmerio, presidente do Conselho Pontifício para os Textos Legislativos, o mais importante dicastério de Direito Canônico da Igreja.

O relatório afirma ainda que a área do edifício era reservada não apenas para monsenhores, mas funcionários superiores da Cúria, sugerindo que o secretário tinha amigos influentes em postos altos para garantir um apartamento tão prestigiado.

Outros residentes no Santo Ofício teriam reclamado sobre um fluxo constante de jovens do sexo masculino no local e das festas barulhentas no apartamento do secretário – queixas que motivaram a incursão policial. Outras suspeitas foram levantadas também quando outros viram o secretário, que é um monsenhor da Diocese de Palestrina, perto de Roma, tendo acesso a um carro de luxo com placa do Vaticano, que supostamente lhe permitia trazer drogas para o Vaticano, sem nunca ter sido interpelado pela polícia.

O artigo prossegue dizendo que depois do flagrante policial, o secretário foi levado para a clínica Pio XI em Roma, onde foi submetido a tratamento de desintoxicação por consumo excessivo de cocaína. Em seguida ele foi enviado para um mosteiro em um local desconhecido na Itália.

O autor do artigo, Francesco Antonio Grana, disse que Papa Francisco, cuja residência se localiza em Santa Marta, apenas a 500 metros de distância do Santo Ofício, estava ciente da batida policial e da prisão do monsenhor em questão. Grana aponta também para o fato de que a entrada principal para o Santo Ofício se abre para o território Italiano e por isso está fora do controle da Guarda Suíça e da polícia do Vaticano.

“Qualquer um, de dia ou de noite, pode entrar no Vaticano livremente através desta entrada sem estar sujeito a qualquer controle”. Grana observou, acrescentando que isso faz do prédio do Santo Ofício “um local perfeito para desfrutar dos privilégios de extraterritorialidade, sem ter que passar pelo controle tanto do Estado Italiano como aqueles da Cidade do Vaticano “.

Ele também revelou que o cardeal Coccopalmerio havia supostamente recomendado, sem sucesso, que seu secretário fosse promovido a bispo.

O Vaticano se recusa a discutir essa história sinistra. Laura Signore, secretária do comandante da polícia do Vaticano, Domenico Giani, disse ao Register no dia 30 de junho que, “como é de costume”, o comandante da polícia “não pode emitir qualquer tipo de declaração ou conceder entrevistas.”

Ela acrescentou que o artigo “seriamente falta com a verdade” e recomendou que entrássemos em contato com a Sala Imprensa da Santa Sé para obter mais informações.

Vaticano não confirmará

O porta-voz da Santa Sé,  Greg Burke, deixou claro que ele não confirmará as alegações de orgia e não respondeu quando perguntado se ele poderia confirmar tudo ou apenas parte do que foi relatado na reportagem do Il Fatto Quotidiano. Perguntado mais tarde se o Vaticano poderia comentar quando a história houver atingido repercussão global, Burke preferiu permanecer em silêncio.

No dia 6 de julho, o Register chamou o secretário em questão em seu telefone celular, mas ele instantaneamente se recusou a falar quando soube que estava falando com um jornalista, murmurando palavras de  efeito: “Olha, eu não posso falar”, e desligou.

Enquanto isso, um membro proeminente e confiável da Cúria disse ao Registerque ele ouviu de “fontes múltiplas” que a história é verdadeira, inclusive de outros membros elevados da Cúria.

Ele disse que a extensão de práticas homossexuais dentro do Vaticano “nunca esteve pior”, apesar dos esforços iniciados por Bento XVI para erradicar desvios sexuais da Cúria depois do escândalo Vatileaks de 2012.

Uma autoridade do Vaticano que de vez enquando costumava saudar o secretário do cardeal Coccopalmerio, disse ao Register que havia notado que ele não tinha visto o secretário pelo menos por dois meses, e antes que ele desaparecesse, tinha emagrecido muito.

O Register também contactou o Cardeal Coccopalmerio no dia 06 de junho diretamente via e-mail, perguntando se ele poderia confirmar a história, mas até agora ele não respondeu.

Os detalhes precisos dos eventos relatados na Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), portanto, permanecem uma questão em aberto, mas a essência da história parece ser verdade. Se assim for, muitos considerariam tal comportamento ocorrido no Santo Ofício não apenas injusto, mas também altamente sacrílego.

O edifício do Santo Ofício, que também hoje é o lar de algumas religiosas, bem como a CDF, remonta ao século 16. De 1908 a 1965, a CDF era conhecida oficialmente como a Suprema Sagrada Congregação do Santo Ofício e seu objetivo era “difundir a sã doutrina Católica e defender aqueles pontos da tradição cristã que parecem estar em perigo por causa de doutrinas novas e inaceitáveis.”

Desde o pontificado de Bento XVI, o dicastério Vaticano também se tornou responsável por tratar casos de abuso sexual clerical, embora deva ser salientado que esse escândalo parece não ter tido nada a ver com a Congregação.

O Papa Francisco abordou a questão da homossexualidade no Vaticano anteriormente, e, em particular, a existência de um lobby gay. Retornando da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro em 2013, ele disse que ainda que estava pra ver “qualquer um no Vaticano que poderia me dar um cartão de identidade escrito GAY. Mas dizem que eles estão lá “.

Depois de dizer que todos os lobbies são ruins, ele citou o ensinamento do Catecismo contra a marginalização de pessoas homossexuais, dizendo: “Se uma pessoa é gay, busca o Senhor e tem boa vontade, quem sou eu para julgá-la?”

No ano passado, o Cardeal Oscar Maradiaga, um conselheiro próximo ao papa Francisco, reconheceu a presença de um “lobby gay” no Vaticano e disse que “pouco a pouco o Papa está tentando purificá-lo.”

Elmar Mäder, um ex-comandante da Guarda Suíça entre 2002-2008, disse no ano passado que existe “uma rede de homossexuais” dentro do Vaticano,  após uma série de alegações sobre padres homossexuais que trabalham na Cúria. “Eu não posso refutar a alegação de que existe uma rede de homossexuais”, disse ele. “Minhas experiências indicam a existência de tal coisa”, afirmou ao jornal suíço Schweiz am Sonntag.

Até mesmo os demônios se repugnam 

À luz do mais recente escândalo e da situação atual, um ex-oficial instou os leitores a recordar as advertências de Nosso Senhor sobre os atos homossexuais, especialmente entre os sacerdotes, como foi explicado por Santa Catarina de Siena em seus diálogos escritos como se ditados pelo próprio Deus.

A mística medieval, co-padroeira de Roma e Doutora da Igreja, transmitiu essas palavras numa época em que um grande número do clero havia caído em pecado grave.

Esses sacerdotes, Nosso Senhor disse a Santa Catarina, não apenas falham em resistir às suas naturezas decaídas “mas fazem ainda pior quando eles cometem o pecado amaldiçoado contra a natureza [atos homossexuais].”

“Como o cego e estúpido, cuja luz do entendimento foi se esvaindo, eles não reconhecem a doença e miséria em que se encontram”, Nosso Senhor continuou, acrescentando que eles não apenas fazem com que Deus se sinta nauseado, “mas causam repugnância até mesmo aos demônios, a quem estas miseráveis criaturas escolheram como seus senhores”.

Ele acrescentou que “esse pecado contra a natureza é tão abominável que apenas por causa dele, cinco cidades foram destruídas, em virtude do julgamento da minha Justiça Divina, que já não podia mais suportá-las”. O Senhor disse a Santa Catarina que mesmo os demônios sentem “repulsa ao ver um pecado tão grande sendo cometido.”

Como remédio, Santa Catarina relata Nosso Senhor dizendo:

“Nunca deixe de oferecer-me o incenso perfumado das orações para a salvação das almas, porque Eu quero ser misericordioso para com o mundo. Com suas orações, suor e lágrimas, eu lavarei o rosto da minha noiva, a Santa Igreja. Eu mostrei-lhe antes seu rosto como de uma donzela cujo rosto estava todo sujo e deformado como se fosse uma leprosa. O clero e toda a Cristandade são os culpados disso por causa de seus pecados, apesar de receberem seu alimento do seio dessa noiva.”.


El escándalo sexual del Vaticano ante el que las autoridades guardan silencio

infobae

Una presunta redada policial en una fiesta gay fue reportada por diversos medios del mundo sin ser desmentida por la Iglesia católica

El Vaticano ha optado por guardar silencio a casi dos semanas de la irrupción de un escándalo denunciado por la prensa italiana, que reportó que la Gendarmería realizó un operativo en una fiesta sexual gay en un departamento de la curia, organizada por el secretario de un alto funcionario eclesiástico.

Según informó Il Fatto Quotidiano a finales de junio, la policía vaticana fue alertada por varias denuncias de ruidos molestos a altas horas de la noche en un departamento perteneciente a la Congregación para la Doctrina de la Fe, cercano a la residencia de varios cardenales. Al llegar al lugar, habrían hallado una fiesta sexual con drogas.

Los reportes apuntaron contra monseñor Luigi Capozzi, de 50 años, secretario del cardenal Francesco Coccopalmerio, presidente del Consejo Pontificio para los Textos Legislativos.

El periódico romano, cuyo reporte fue replicado por medios de todo el mundo, aseguró que el papa Francisco estaba “furioso” por la situación, mientras que Capozzi habría sido conducido a un centro médico para su desintoxicación y rehabilitación en un auto oficial, inmune diplomáticamente a los controles de la policía romana.

Sin embargo, el Vaticano no ha manifestado ningún pronunciamiento oficial sobre el tema. Aunque el 1 de julio Francisco relevó al cardenal alemán Gerhard Müller al frente de la Congregación, ningún reporte vinculó la decisión con el escándalo.

Por los mismos días, la Santa Sede tenía la vista puesta en otro terremoto que afectaba su imagen: la imputación del cardenal George Pell, ministro de Finanzas del Vaticano, por presunto abuso sexual, presentado por las autoridades australianas.

En ese caso, Pell se deslindó rápidamente del caso y manifestó su disposición para volver a Australia y colaborar con la Justicia, mientras que la jerarquía de la Iglesia le ofreció su respaldo.

  • Leo

    Começando a entender porque a mídia secular falou tanto em “Reforma da Cúria” na época do conclave.
    Se a mídia podre, laica e anti clerical queria a reforma da Cúria… Com certeza não era uma boa reforma.

  • Jordi

    ¿Y esto?

  • Pedro Morato

    Alguns poderão estranhar que estejamos apresentando ao público as misérias humanas que estão ocorrendo na Igreja. Outros dirão que isto sempre existiu… Contudo, o conjunto de escândalos doutrinários, morais, desvios espirituais, atuações contra a própria Igreja demonstram que estamos tratando de uma autodestruição, uma ação vinda de dentro da própria Igreja e de ministros seus e que colocam a Santa Igreja numa situação de crucifixão…

    Não somos somente nós que percebemos, rezamos e sofremos com tudo isto. Lembremo-nos das duras palavras do Papa Emérito na Via Sacra, no Coliseu romano:
    “Quanta sujeira existe na Igreja, e justamente entre aqueles que, no sacerdócio, deveriam pertencer completamente a Ele. Quanta soberba, quanta auto-suficiência! Quão pouco respeito ao sacramento da reconciliação, no qual Ele nos espera, para nos reeguer de nossas quedas! (…) Senhor, freqüentemente a tua Igreja nos parece um barco que está para afundar, um barco no qual entra água de todos os lados. E também no teu campo de trigo, vemos mais discórdia do que trigo. As vestes a a face sujas da tua Igreja nos causam aflição. Mas somos nós mesmos a nos sujar! Somos nós mesmos a te trair, depois de nossos grandiloqüentes discursos e de nossos gestos plateais. (…) Salva e santifica a tua Igreja. Salva e santifica todos nós!” [Advertências de Bento XVI, na Via Crucis, em 2005 no Coliseu, em Roma].

    Todos nós queremos a restauração da verdadeira Igreja de Cristo. E lutamos nesta intenção suprema. Se agora, os ímpios infiltrados na Santa Igreja querem destruir quem se opõe a eles e procura levar a doutrina e as práticas santas da Igreja aos fiéis e ao mundo, a obrigação é a de resistir.
    Por isso, entendo perfeitamente a atitude deste blog, ou site, Res. Revertetur, que vem agindo em defesa dos Arautos, ameaçados de intervenção infundada e fruto de calúnia e má vontade por parte de pessoas inescrupulosas.
    Dies irae, dies illa
    solvet saeclum in favilla
    teste David cum Sibylla
    Quantus tremor est futurus
    quando judex est venturus
    cuncta stricte discussurus
    Dia da Ira, nesse dia
    Serão os séculos feitos em cinzas
    como disseram Davi e Sibyl
    Quão terrível é o futuro
    Quando o juiz vier
    Para julgar a todos

%d blogueiros gostam disto: